capa_educare_diversos1
capa_educare_diversos2
capa_educare_diversos3
capa_educare_diversos4
capa_educare_diversos5
capa_educare_diversos6
Logo Diversos

O DIVERSOS surge como um espaço de voz e difusão das nuances da diversidade com o objetivo de estimular o pensamento crítico.

Livro com fotos e narrativas que relatam a história de artistas e suas obras na perspectiva da diversidade de gênero, idade, pessoas com deficiência, raça e crenças.

Através da fotografia, as obras artísticas serão captadas em toda sua beleza estética e paralelamente, abordarão a diversidade em toda a sua amplitude artística e cultural, valorizando artistas e obras e estimulando o pensamento crítico.

Livro

Please wait while flipbook is loading. For more related info, FAQs and issues please refer to DearFlip WordPress Flipbook Plugin Help documentation.

Capítulos

Capa do Capítulo 1 - Somos Diversos

Capítulo 1 - Somos Diversos

Trata-se da introdução sobre o tema e como conduzir os leitores a jornada escolhida para tratar da questão da diversidade através da fotografia.

Capa do Capítulo 2 - De todos os gêneros

Capítulo 2 - De todos os gêneros

Neste capítulo teremos uma breve discussão sobre a questão de gênero e iniciaremos a inclusão dos artistas e suas obras que de algum modo se relacionem aos direitos e cidadania.

Capa do Capítulo 3 - De todas as cores e sonhos

Capítulo 3 - De todas as cores e sonhos

Neste capítulo pretendemos abrir uma discussão sobre artistas, raça e etnia, valorizando os saberes e propostas,, apresentando as obras e histórias dos mesmos.

Capa do Capítulo 4 - Nós somos assim

Capítulo 4 - Nós somos assim

Este capítulo trará obras de pessoas com deficiência nas áreas da música, dança, teatro, entre outras, que superam suas limitações através da arte.

Capa do Capítulo 5 - País de todas as crenças

Capítulo 5 - País de todas as crenças

Em um país que um sincretismo religioso é uma realidade iremos resgatar artistas e obras realizadas por homens e mulheres de diversas religiões e crenças que compõem parte do universo místico e do sagrado brasileiro.

Capa do Capítulo 6 - O tempo de criar

Capítulo 6 - O tempo de criar

Neste capítulo vamos discutir e apresentar artistas de diversas idades (jovens, adultos e idosos) que produzem arte e se relacionam com a vida e conhecimento sem limites.

Personagens

Capítulo 2

Bela Gregório

Grupo Efêmmera Grafiteiras – Bela Gregório

Grafiteira e fundadora da rede Efêmmeras

Capitulo 2

André Fischer

André Fischer

Jornalista, criador do MixBrasil

Capítulo 2

Rico Dalasam

Rico Dalasam

Músico – rapper

Capítulo 2

Leo Moreira Sá

Leo Moreira Sá

Ator

Capítulo 2

Beatriz Seigner

Beatriz Seigner

Cineasta

Capítulo 2

Maite Schneider

Maite Schneider

Atriz

Capítulo 3

Arissana Pataxó

Arissana Pataxó

Artista plástica

Capítulo 3

Roberto Leal

Roberto Leal

Cantor

Capítulo 3

Kazuo Wakabayashi

Kazuo Wakabayashi

Artista plástico

Capítulo 3

Margareth Menezes

Margareth Menezes

Cantora

Capítulo 3

Jaime Prades

Jaime Prades

Escultor

Capítulo 4

Ariel Goldenberg

Ariel Goldenberg

Ator

Capítulo 4

Billy Saga

Billy Saga

Rapper

Capítulo 4

Giovanni Venturini

Giovanni Venturini

Ator

Capítulo 4

Maria Goret Chagas

Maria Goret Chagas

Artista plástica

Capítulo 4

Marina Guimarães

Marina Guimarães

Bailarina

Capítulo 4

Rogério Ratão

Rogério Ratão

Escultor e ceramista

Capítulo 5

Benedito Santeiro

Benedito Santeiro

Escultor

Capítulo 5

Carlinhos Brown

Carlinhos Brown

Músico

Capítulo 5

Fortuna

Fortuna

Cantora

Capítulo 5

Maycon Mesquita

Maycon Mesquita

Trompetista

Capítulo 5

Ronaldo Rego

Ronaldo Rego

Escultor

Capítulo 6

Mundano

Mundano

Artista/ grafiteiro

Capítulo 6

Jéssica Queiroz

Jéssica Queiroz

Cineasta

Capítulo 6

Roberto Rackin

Roberto Rackin

Bailarino

Capítulo 6

Talitha Rossi

Talitha Rossi

Artista plástica

Capítulo 6

J. Borges

J. Borges

Xilogravurista

Capítulo 6

Marcos Prado

Marcos Prado

Cineasta

Bastidores

Slide

“A casa de Kazuo Wakabayashi fica em uma rua tranquila no bairro do Jabaquara, zona sul da capital paulista, a poucos metros da residência dos Mabe. Não é uma coincidência: quando chegou ao Brasil, em 1961, Wakabayashi tornou-se amigo e protegido de Manabu Mabe (1924-1997), na época um já respeitado artista plástico. O ateliê de Wakabayashi, uma espécie de edícula aos fundos da casa, tem como vista os troncos de um pequeno bambuzal. A sensação por ali é de calma – a mesma calma transmitida pelo olhar e pela fala do pintor octogenário quando fala de sua vida no Japão e a mudança para as terras brasileiras. No dia da nossa conversa – e agora, sim, uma coincidência – o Japão jogava com a Bélgica pelas oitavas de final da Copa do Mundo. A algazarra no domínio dos Mabe contrastava com o ambiente quase monástico no lar de Wakabayashi. Na foto, Wakabayashi é fotografado em seu ateliê pelo fotógrafo Fernando Martinho.”

-Kazuo Wakabayashi
Slide

"Marcamos o encontro com Roberto Rackin na Vila Madalena, zona oeste de São Paulo, no lugar conhecido como “Beco do Batman”. O beco é uma espécie de exposição de grafites a céu aberto, plasticamente um cenário excelente para fotos. Por isso mesmo o local virou atração turística, com ônibus despejando turistas a cada meia hora. Isso nos obrigou a procurar alternativas, o que não foi tão difícil: a Vila Madalena é pródiga em escadarias e cenários fotogênicos. No último retrato de Roberto pedimos autorização para utilizar o salão desse simpático bar. A dona, uma senhora tão simpática quanto, acedeu com um sorriso. Roberto é o mais jovem personagem do livro – pouco antes da entrevista havia completado 18 anos. Por isso está no capítulo sobre gerações. Sua história é impressionante: nasceu com um defeito nos pés que teoricamente o impediria de caminhar normalmente. Superou a deficiência e, em 2017, foi o vencedor de uma competição de dança contemporânea na Alemanha. Detalhe: a viagem foi paga pelos pais – uma professora e um policial militar (na foto o pai está segurando o pano que serve de fundo para o retrato feito pelo Fernando Martinho). São histórias como a de Roberto que nos faz ter orgulho e prazer de fazer o ‘Diversos”.

–Roberto Rackin
Slide

“Vocês têm Instagram?” É a primeira pergunta que Ariel Goldenberg nos faz. O ator de 37 anos, que é perfilado no capítulo “Nós Somos Assim”, ganhou projeção nacional ao protagonizar o filme “Colegas”, ao lado da ex-mulher Rita Pokk e Breno Viola, todos portadores da síndrome de Down. No amplo apartamento em que mora com a mãe, no bairro do Sumaré, uma bateria repousa no meio da sala. Ele conta que é fã do Roger Taylor e já estudou um pouco do instrumento. Hoje não toca mais. Sua vida agora é dedicada ao teatro e ao cinema e a participar de ações que ajudem na inclusão das pessoas com Down – a mais recente foi durante a campanha Criança Esperança, em julho. Ao final do encontro trocamos nossos endereços de Instagram."

– Ariel Goldenberg
Slide

"Conhecemos o Duke quando fomos encontrar Marina Guimarães no estúdio em que ela ensaia, na Vila Mariana, bairro da zona sul de São Paulo. Marina é bailarina e ficou conhecida nacionalmente ao dançar na abertura dos Jogos Paralímpicos de Londres, em 2012. Duke nasceu há cinco anos em Palm Springs, Califórnia, numa ninhada de nove filhotes. Quando completaram um ano, Duke e seus irmãos e irmãs fizeram um teste vocacional – uns foram para o departamento de polícia, outros para o de bombeiros. Duke e Spirit, um dos irmãos, tiveram outro destino: foram “estudar” na Guide Dog of The Desert, uma escola para cães-guias em Whitewater, próximo a Palm Springs. Há três anos Duke se tornou o companheiro de Marina. Ao ver os dois juntos, logo se percebe que Duke não é apenas o cão-guia da bailarina. Ele observa cada movimento de Marina com um olhar reverente e atento. Ela diz que sua vida mudou completamente quando Duke chegou – tornou-se em parte os seus olhos, a sua segurança e principalmente seu mais fiel e constante amigo. Amigo de verdade. Há poucos meses Marina soube que Spirit estava morando no Rio e combinou um reencontro entre os irmãos. Para surpresa de todos, Duke e Spirit lembraram um do outro e brincaram a tarde inteira. “Não é Duke?”, ela pergunta com voz carinhosa. E, como uma criança feliz, Duke vem correndo para seus braços."

– Duque

Produção

Foto Kátia Rocha

Kátia Rocha

Coordenadora

Foto Priscila Oliveira

Priscila Oliveira

Produção

Foto Cynthia Takayama

Cynthia Takayama

Produção

Foto Jeferson de Sousa

Jeferson de Sousa

Roteiro e produção de textos

Foto Carmen Fukunari

Carmen Fukunari

Projeto Gráfico e Direção de arte

Foto Adriana Harumi

Adriana Harumi

Assistente de arte

Foto Fernando Martinho

Fernando Martinho

Direção fotográfica e fotógrafo

Foto Ana Paula Paiva

Ana Paula Paiva

Fotógrafa

Foto Davilym Dourado

Davilym Dourado

Fotógrafo

Foto Luciana Cavalcanti

Luciana Cavalcanti

Fotógrafa

Foto Stephan Schmeling

Stephan Schmeling

Fotógrafo

Foto Carlos Pedretti

Carlos Pedretti

Tratamento de imagens

Régua de patrocinador